Home > Carnavais > Carnaval 2019 > Cadência da Vila é destaque em desfile da Unidos de Vila Maria

Cadência da Vila é destaque em desfile da Unidos de Vila Maria

A penúltima escola da segunda noite do grupo Especial foi a Unidos de Vila Maria, que entrou na pista fazendo uma homenagem ao Peru, país sul-americano conhecido pela rica história da civilização Inca. A Cadência da Vila foi o grande destaque da entidade, com bossas bem executadas, a bateria comandada pelo Mestre Moleza mostrou precisão rítmica e equalização em seu andamento. Sendo uma bateria extremamente musical, a Cadencia da Vila manteve o BPM (Batidas por minuto) durante toda a sua apresentação.

VEJA AS FOTOS DO DESFILE

O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira da agremiação, Everson e Laís mostraram sincronia e leveza em sua apresentação. Com uma fantasia rica em tons de azul, o casal esbanjou simpatia durante o seu bailado.

Wander Pires que completa dois anos no comando do carro de som da escola, utilizou da experiência para abrilhantar a melodia do bom samba e embalar a arquibancada juntamente de sua ala musical.

Os últimos setores da agremiação vieram em uma paleta de cores exuberante e com um rico acabamento. Com o último carro exibindo um novo conceito, a alegoria possuía um Condor, onde nas suas asas tinham componentes “pendurados“ realizando coreografias no refrão do samba.

PRIMEIRO SETOR

Abrindo o desfile da Vila Maria, a Comissão de Frente da agremiação representou os Guardiões do Portal do Sol, que eram metade homem e metade pássaro. Em sua coreografia, os atores enceraram uma lenda peruana relacionada ao grande pássaro, o Condor. O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira da agremiação, Everson Sena e Laís Moreira representaram as Lágrimas de Inti. Dando continuidade ao primeiro setor, as Baianas da escola representaram a lenda do surgimento do lago Titicaca, que na tradução significa o Lago dos Pumas Afogados. O carro abre alas da escola homenageou a nascente do Império do Sol, sendo a materialização da lenda Inca, que versa sobre a gênese da criação dos primeiros habitantes das terras peruanas, precursores do grandioso Império do Sol.

SEGUNDO SETOR

O segundo casal de mestre-sala e porta-bandeira da agremiação, Bruno e Julia representaram os astronautas do passado. A segunda alegoria da agremiação representou Senhor de Sípan, o Esplendor do Eldorado que estava ladeada por ídolos, ressaltando no alto do monumento simbolizando uma “Pirâmide Inca”, a imagem do governante Mochica, conhecido como “Senhor de Sipan”. Tal governante e as lendas surgidas em torno dele alimentaram a imaginação daqueles que viam nessa civilização a materialização do “Eldorado”.

TERCEIRO SETOR

A bateria Cadencia da Vila, comandada por Mestre Moleza veio representando os camponeses peruanos com um traje típico do povo andino com suas emblemáticas toucas e ponchos coloridos. O terceiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, Paulo e Geisle, representaram Mama Killa a lua irmã e mulher de ínti Sol. Com a terceira alegoria representando a fertilidade de Mama Killa á Brotação da Terra de Pacha Mama, o carro trazia à cena do desfile o ambiente rural do Peru, mostrando a fertilidade e
diversidade de grãos e frutos dos vales, florestas e altiplanos dessa terra que brota em fartura, representada nos cestos sobre as cabeças das mulheres nativas das lavouras, tendo como elemento principal o milho, produto original da nação que se desenvolve nesse solo com infinitas variedades e que para o povo peruano é chamado de “Grãos Dourados”.

QUARTO SETOR

Com o casal de mestre-sala e porta-bandeira Juvenil, Kaique e Larissa representando a religiosidade do povo peruano, o quarto setor da escola tem destaque aos festejos ao Senhor dos Milagres e ao Senhor dos Terremotos. A quarta alegoria representou a Fé Miscigenada em altares e andores, demonstrando a religiosidade do povo peruano, com a sua fé miscigenada de seu povo, representada na alegoria e retratada por meio de altares, andores e símbolos religiosos: anjos e ostensório das manifestações religiosas com divindades católicas, evidenciadas nas cores e simbologias da devoção ao “Senhor dos Terremotos”, uma sagração a Jesus Cristo como protetor do povo dos abalos sísmicos tão recorrente nas terras peruanas.

QUINTO SETOR

O último setor da escola homenageou os Carnavais do Peru e do Brasil. O casal mirim de mestre-sala e porta-bandeira, Marcos e Bella e o quarto casal, Alex e Pamela, representaram Arlequim e Colombina. A última alegoria da escola representou O grande abraço do Condor a duas nações: Peruana e Brasileira. Os traços e desenhos da alegoria que remetem às LINHAS DE NAZCA não eram mais uma homenagem ao Peru, nação orgulhosa de seu passado, mas que projeta e constrói um futuro promissor. O Grande Condor de traços futuristas representa essa imagem do Peru de vanguarda e com o grande abraço simbólico de suas asas uniram o Peru, o Brasil e a Unidos de Vila Maria.

Botequim da SASP