Home > Carnavais > “Não precisamos encher os olhos dos jurados com bossas, o nosso ritmo já é diferente” – assegurou Mestre Markão.

“Não precisamos encher os olhos dos jurados com bossas, o nosso ritmo já é diferente” – assegurou Mestre Markão.

Marco Antonio David começou no carnaval em 2002, com 12 anos, na bateria mirim da Nenê De Vila Matilde, e só em 2004 ingressou pra batucada principal da agremiação. Em 2012, ao convite do Mestre Renato Sudário, Marcos se tornou diretor de bateria, e três anos depois se tornou Mestre de bateria.

“Minha maior decepção foi em 2003, quando o Mestre Pascoal me cortou da bateria porque não estava apto pra tocar”. (risos)

Markão estudou música na faculdade e conservatório de música Souza Lima, e hoje também faz um trabalho paralelo como percussionista.

A batucada da Nenê de Vila Matilde, mais conhecida “Bateria de bamba”, segue uma linha de ritmo tradicional, valorizando o swing, mantendo sempre um andamento entre 144 e 146. A batida de caixa é original desde a sua fundação, com a rufada após as acentuações do toque, casando com o desenho de surdo de terceira: “Sobre a nossa afinação, vou te deixar com uma puga atrás da orelha irmão” (risos). “É a nossa magia, não vou te falar que é uma afinação leve ou pesada, é simplesmente a afinação da Vila Matilde”. A Nenê é uma das únicas escolas que ainda desfilam com surdos de 28 polegadas, o maior diâmetro de instrumento.

O processo de criação de bossas é feita antes da escolha do samba enredo, Markão monta as paradinhas através do número de compassos, se encaixando em qualquer samba. Os desenhos de surdo de terceira e tamborim é feita em conjunto, com a presença dos diretores:

“Não precisamos encher os olhos dos jurados com bossa, o nosso ritmo é diferente. É isso que encanta na nossa bateria”.

A bateria terá uma bossa chamada “Afro”, que se encaixa na entrada do segundo refrão. Todos os instrumentos param e só toca o Djembês, um diferencial da bateria para esse carnaval.

Em um papo descontraído com a equipe da SASP, Markão comentou como foi sua chegada e o seu primeiro carnaval como mestre de bateria:

“Sou cria da casa né, a comunidade me abraçou. Teve resistência dos mais antigos sim, não vou mentir, mas com decorrer do trabalho e respeitando os mais velhos, fui conquistando meu espaço e corre muito bem” e sobre desfile, declarou: “A bateria entrou digna de Vila Matilde, tiramos a nota depois de onze anos sem tirar. Só caiu a ficha quando cruzei a faixa amarela” (risos).

A Nenê de Vila Matilde será a sexta escola a desfila na noite de sábado, dia 25 de fevereiro, como enredo: “Coré-Etuba – A Ópera de todos os povos… Terra de todas as gentes… Curítiba de todos os Sonhos!”, desenvolvido pelo carnavalesco Alex Fão.

“Colocaremos uma bateria ousada na avenida” – finalizou Mestre Markão.

 

A Nenê de Vila Matilde realiza seus ensaios aos domingos e quartas-feiras, a partir das 20h.  A quadra é localizada na rua Júlio Rinaldi, 1 – Penha.

 

Botequim da SASP