Home > Escolas de Samba > Acadêmicos do Tucuruvi > Poetas do Anhembi: Barba e o clamor por liberdade da Tucuruvi em 2019

Poetas do Anhembi: Barba e o clamor por liberdade da Tucuruvi em 2019

Por Vinicius Vasconcelos

Acredita-se muito na missão “extra-Anhembi” que o carnaval tem o dever de oferecer ao seu público. E cada vez mais os enredos paulistanos optam pela linha cultural e não apenas temas que facilmente caem no esquecimento, ou aqueles que fazem sucesso apenas nos dias dos desfiles. Indo na via dos enredos históricos com grande carga emocional, a Acadêmicos do Tucuruvi vem exaltar a liberdade em 2019.

No último desfile o Zaca não foi julgado devido a um incêndio em seu ateliê de fantasias. Mas em 2017, ano que ficou em oitavo lugar, perdeu 0,3 pontos no quesito samba-enredo. Pra evitar perdas maiores, o modo de escolha foi repensado. E dando continuidade a série Poetas do Anhembi, a equipe SASP conversou com Henrique Barba, compositor pentacampeão na escola.

“A escola solicitou que viéssemos com uma proposta diferente do que já estávamos acostumados a fazer. O próprio tema e a densidade fez com que o samba viesse carregado na poesia, com muito sentimento e sem perder a valentia necessária para o bom desenvolvimento do componente”, explicou.

Barba acrescenta que o enredo deu um gás a mais para a parceria. Pois é um tema com viés histórico, porém, extremamente necessário e atual. “Falar de liberdade é tão motivador quanto desafiador. Ainda mais tendo como fio condutor a música “O canto das três raças”, imortalizado por Clara Nunes. A sinopse é profunda e traz toda a luta dos povos oprimidos tratando do ponto de vista histórico, passa pelo período do descobrimento com a escravidão dos índios, seguindo para escravidão dos negros e por fim a relação entre opressor e oprimido, que recai sobre povo pobre e trabalhador. Por conta disso, tínhamos a certeza de um grande enredo que possibilitou a criação de um excelente samba, espero um grande carnaval”, contou.

Apesar de ser 5 vezes campeão no Zaca, 10 anos separaram Barba da primeira vitória

O compositor confessou a equipe SASP que perseverou durante 10 anos atrás da primeira vitória. E que hoje se orgulha muito do caminho traçado sem ter que ultrapassar etapas. “O segredo é perseverar e acreditar. Foram 10 anos perdendo, acumulando derrotas, tendo adversidades. Mas o sabor da conquista é muito bom. Claro que tem que ter talento, conhecimento e um pouquinho de sorte para acertar o samba na veia. Os nossos sambas no Zaca via de regra foram consagrados nas eliminatórias de forma incontestável, acredito também que se esse samba fosse pra eliminatória teria o mesmo final feliz. É muito difícil entrar para o roll de compositores e se manter é mais ainda”, desabafou.

De olho na nota 10, Barba finaliza a entrevista exaltando alguns trechos do samba e contando com exclusividade qual sua parte preferida. “Temos dois refrões fortes mas com características diferentes. Uma cabeça de samba extremamente poética e um final de samba apoteótico. Tem muitas partes do samba que emocionam, sobretudo o final e o início. O ‘bis’ antes do refrão sintetiza bem ele por inteiro, e me toca bastante o trecho ‘ô ô ô sou resistência na dor’. Acho que temos elementos necessários que o desfile seja muito bem conduzido. Um grande enredo, um samba muito bom e a garra da comunidade”

A Acadêmicos do Tucuruvi será a quarta escola a desfilar na sexta-feira de carnaval. Com o enredo “Liberdade: O canto retumbante de um povo heróico“, assinado pelo carnavalesco Dione Leite. Confira abaixo o samba da escola:

Compositores: Fábio Jelleya, Henrique Barba, JC Castilho, Edu Borel, Marcelo Nunes, Newtinho, Igor Soró, Tim Peixoto, Brunão Govetri, Leandro Augusto e Leonardo Bessa

SENHOR, ESCUTAI A NOSSA VOZ!
A PRECE QUE VEM DO CORAÇÃO
EU SEI QUE AS FERIDAS VÃO SECAR
NO DIA DA LIBERTAÇÃO
NO SEIO DA MATA SURGIU UM GRITO DE GUERRA
NA LUTA CONTRA A FORÇA DO INVASOR
O NOSSO CHÃO SANGROU
JÁ FUI LAMENTO NO BALANÇO DO TUMBEIRO
E SUBO O MORRO FEITO UM NOBRE PARTIDEIRO

Ô Ô Ô… SOU RESISTÊNCIA NA DOR!

QUANDO O SOL VAI BRILHAR, MEU DEUS? RELUZINDO LIBERDADE
PRA TIRAR DO PAPEL, O SONHO
DE VIVER COM DIGNIDADE

VEM ME DÊ A MÃO
PRECISO DE VOCÊ QUE TANTO PROMETEU
POR QUE SE ESQUECEU DOS SEUS IDEAIS? SOMOS TODOS IGUAIS!
CAMINHANDO CONTRA O VENTO, EU VOU…
PRA QUEBRAR AS CORRENTES
QUEM SABE FAZ A HORA, NÃO ESPERA ACONTECER, APESAR DE VOCÊ…
VAMOS ROMPER AS BARREIRAS
ERGUER AS BANDEIRAS, POR MAIS UNIÃO
OH, MEU BRASIL! A LIBERDADE EMANA DO AMOR
MEU DIREITO À IGUALDADE NÃO REPRESENTA FAVOR!

TUCURUVI ESPALHA UM CANTO PELO AR
VAI ECOAR, VAI ECOAR
MEU BRADO É FORTE, QUERO MUDANÇA
AVANTE, FILHOS DA ESPERANÇA!

VEJAS OUTRAS REPORTAGENS DA SÉRIE

Gaviões da Fiel – Grego
Acadêmicos do Tatuapé – Luiz Ramos
Colorado do Brás – Márcio Pessi

Botequim da SASP