Home > Carnavais > Carnaval 2017 > “Por trás da caneta” – Zé Paulo Sierra fala sobre o samba da Vila Maria

“Por trás da caneta” – Zé Paulo Sierra fala sobre o samba da Vila Maria

Hoje no quadro Por trás da caneta, conheceremos a obra da Unidos de Vila Maria para o carnaval 2017. A escola trará para a avenida o enredo Aparecida – A Rainha do Brasil –  300 anos de amor e fé no coração do povo brasileiro, e quem nos conta os segredos da obra, é o Zé Paulo Sierra, um dos autores da obra ao lado Leandro Rato, Leandro Rato, Almir, Zé Boy, Vinicius e Silas Augusto.

Vamos conhecer mais dessa obra!

SASP: De que modo foi feita a confecção da obra e montagem da parceria? Realizam quantos encontros? Como eram os encontros?

Zé Paulo Sierra: O samba foi feito por comunicação via web em sua totalidade. Moro no Rio e os encontros não foram frequentes, tivemos um encontro para fechar o samba e depois gravação. Nas nossas conversas e encontros o ponto alto sempre foi a emoção e a certeza da forma que nos utilizariamos, que era fazer o samba em forma de oração.
A parceria foi montada a partir de uma conversa minha e do Silas com o Rato. Vínhamos de derrota e decidimos nos unir para tentar a a vitória! Deu certo

SASP: Conte alguma particularidade da obra para os leitores da SASP, alguma situação engraçada ou até mesmo, cite algum trecho do samba que acabou não indo para a letra final apresentada.

Zé Paulo Sierra:  Cara a situação engraçada é a fome infinda do Silas !! Kkk
Quando fomos a casa do rato ele achou que seria um churrasco para fecharmos o samba, porém o Rato pediu umas quentinhas. O gordinho ficou bravo!

No final do samba tínhamos a palavra “milagreira”
“Nos de a paz bendita milagreira”
O Sidney alegou que já falávamos do milagre no início da segunda e não deu o braço a torcer apesar de toda insistência e argumentos da parceria.
Ficamos chateados pois ele nos falou sobre a um dia da gravação lá. Aí vc pensa. Como substituir uma palavra tão forte?

Fui com o silas numa padaria da aclimação e ele falou de da palavra “verdadeira” , de cara não curtir, mas não descartei.
Pedimos o lanche e em determinado momento falamos da da palavra novamente só que cantando. Abaixei a cabeça e ao levantar olhei pra televisão, ao lado tinha uma imagem da Santa. Pronto! Fechamos o samba!!

SASP: Conte aos leitores da SASP, de forma detalhada, como se deu o processo de escolha do samba, passando pelas dificuldades do trabalho de quadra e escolha dos cantores (caso tenha sido eliminatória na quadra) ou como lidavam com a expectativa da escolha (caso tenha sido uma disputa fechada)

Zé Paulo Sierra: Disputa dura, enredo fantástico, compositores inspirados, lindos sambas.
Mas acreditávamos em nossa fórmula, sabíamos que tínhamos um samba emocional. Aliamos isso a um time forte de canto que participaram do processo de gravação, estavam dispostos e envolvidos.
Apesar de dura a disputa, acho que prevaleceu a nossa fórmula de levar uma oração pra quadra. Deu certo !

SASP: De que modo avalia a importância da gravação? Que cuidados devem ser tomados a fim de entregar o samba da melhor maneira para a escola?

 Zé Paulo Sierra: Hj é um fator de suma importância.
Se vc tem uma obra sem qualidade na gravação, a ladeira ficar maior !!!

SASP: Após a vitória, ajustes costumam ser feitos na obra, houve algum ajuste em sua obra? De que modo o compositor participa desse importante momento?

 Zé Paulo Sierra: Houve!
Fomos consultados e participamos e conjunto a escola! !

SASP: Muito se questiona a funcionalidade de sambas na avenida. Em alguns casos, sambas com qualidade reconhecida, não tem o mesmo desempenho no desfile que sambas menos comentados no período anterior ao carnaval, como você entende essa questão?

 Zé Paulo Sierra: Acho que tudo é momento. Samba é bom em qualquer lugar. Mas se não for a hora de brilhar, não tem jeito.
Existem vários fatores que podem pesar, o bom momento do cantor , a energia da escola conta o público. É um espetáculo ao vivo, tudo pode acontecer !!!

SASP: Conte ao leitor da SASP, um pouco da sua trajetória como compositor, passando pelo início da sua carreira e lembrando as obras que já foi autor. Dentre as suas obras, você tem algum samba preferido?

Zé Paulo Sierra: Cara, comecei como compositor em um bloco do meu bairro, logo fui ganhando espaço e rodei algumas escolas. Meu primeiro samba no grupo especial veio na eliminatória de 95 na caprichosos “samba sabor chocolate ” de lá pra cá ganhei outros , mas fiz uma opção de carreira no carnaval como intérprete, portanto ganhei alguns sambas sem assinar e por isso não acho justo como os compositores citar essas obras. Como te existem escolas que só aceitam um determinado número de compositores assinando, por isso não fico a vontade em falar desses sambas .
Mas tijuca 2016, mocidade 2017, vila Maria 2017, nenê 2016 e 2017 são algumas amais recentes!

SASP: A SASP deixa aberto o espaço para agradecimento a todos os parceiros e qualquer pessoa tenha feito parte dessa vitória, parabéns!

 Zé Paulo Sierra: Agradeço aos amigos e parceiros que participaram dessa empreitada e que foram verdadeiros guerreiros. Obrigado por confiarem e apostarem em mim, Silas, Rato, Almir, Zé boy, Vinicius, obrigado!

 

Botequim da SASP