Home > Carnavais > Carnaval 2018 > Quesito a quesito: saiba como será julgado o módulo visual nos desfiles de 2018

Quesito a quesito: saiba como será julgado o módulo visual nos desfiles de 2018

Na semana mais aguardada pelos sambistas, a equipe da SASP traz um detalhamento de cada módulo de julgamento, para o leitor poder entender ainda melhor as regras que as escolas devem seguir na busca pelo campeonato. Na primeira reportagem, você pôde conferir como será o julgamento do módulo musical (Bateria, Samba-Enredo e Harmonia). Hoje, na segunda reportagem da série, é a vez do módulo visual, que aborda os quesitos Enredo, Fantasia e Alegorias.

ENREDO

No contexto narrativo, enredo é o encadeamento dos fatos narrados em um texto. É o conteúdo em que a narrativa se constrói. É a trama, a sequência dos fatos, são as situações vividas pelos personagens durante o desenrolar dos fatos narrados. Em um desfile de escola de samba, o Enredo é a peça literária (tema central) que, por meio de pesquisa, dá origem a montagem do desfile, visando transmitir a ideia proposta para sua apresentação.

A partir daí, começa a ser julgada a sequência de fatos do enredo proposto pela escola. Não podendo haver forma de inversão na disposição das alas, grupos coreográficos, carros e elementos alegóricos, assim como suas ausências. A inclusão de alas, grupos coreográficos, carros e elementos alegóricos não previstos na montagem de desfile apresentada na pasta de jurados, é um ameaça para a nota deste quesito.

A pasta é enviada dez dias antes do desfile para uma apreciação prévia que serve de referência, para a compreensão dos jurados. De acordo com o manual, o julgador deverá avaliar se os principais itens do enredo proposto estão bem apresentados e de fácil leitura, além de verificar se os aspectos de maior relevância de sua descrição foram explorados. Desta forma, as principais ideias da sinopse precisam estar claras e sintetizadas no desfile da escola.

FANTASIA

Fantasia é o complemento ilustrativo do desfile. É através das fantasias que conhecemos a época, os lugares e costumes, que estão sendo retratados no tema proposto pela escola. Na famosa pasta que o jurado recebe das agremiações, contém imagem de referência das fantasias, que lhe servirão para a orientação do julgamento.

Neste quesito é avaliada a capacidade de reprodução das imagens que estão na pasta, para as que são visualizadas na pista. A execução da ideia proposta e o cuidado e atenção com que foram confeccionadas as fantasias, também são pontos importantes.

As fantasias precisam estar bem-feitas, com todos os detalhes bem colocados e com seu aspecto visual limpo (sem amassados ou caindo algum objeto). Elas deverão estar uniformizadas, ou seja, um componente que tirou o chapéu no meio do desfile ou um costeiro mal colocado, poderá penalizar a escola neste quesito.

O jurado também poderá descontar décimos de uma escola que possuir elementos estranhos na fantasia, como celulares, câmeras fotográficas e bolsas, sendo permitido aos componentes apenas o uso de óculos de grau. Será penalizada também, a fantasia que contar com problema de acabamento, como: tecidos rasgados, adereços quebrados, saiotes arqueados, sapatos danificados, tornozeleiras caídas, braceletes quebrados, dentre outros. Os acabamentos devem ser avaliados, uma vez que, não é possível prever chuvas no trajeto de cada agremiação. Estima-se que as fantasias devem ser feitas com materiais resistentes para a boa apresentação. E em caso de chuva no local, deve ser desconsiderada qualquer tipo de sujeira.

ALEGORIA

No desfile, a Alegoria é a representação plástica sobre rodas e tem a função de ilustrar e dar a beleza necessária para o desenvolvimento do enredo. É o cenário para cada setor apresentado pela agremiação, inclusive os componentes humanos: destaques e composições que fazem parte dos elementos cenográficos. Define-se como as alegorias: carros alegóricos e elementos cenográficos.

Os carros alegóricos e os elementos cenográficos são avaliados, através da ideia proposta pela escola de samba na íntegra. Por isso, os elementos que porventura sejam esquecidos em cima dos carros alegóricos e elementos cenográficos e que são utilizados para construção, execução, acabamento e limpeza dos carros ou elementos cenográficos (tesouras, latas de tinta, pistolas de cola quente, pedaços de fantasias, dentre outros) poderão penalizar a escola, caso a mesma não tenha descrito na pasta estes itens. A escola poderá ser penalizada, caso ocorra a ausência de elementos humanos no espaço para composições e/ou destaques (queijo vazio) e elementos que forem descritos na pasta, quando forem descritos.

O acabamento dos carros é fundamental em toda a avaliação do jurado. Será observado todo o modo de confecção e decoração dos carros e elementos cenográficos. Caso o jurado verifique que ocorreu falha na pintura, ferragens expostas, esculturas danificadas e outros elementos que prejudiquem a apresentação visual dos carros alegóricos e elementos cenográficos, a escola poderá ser penalizada.

Portanto, podemos observar que nem sempre tamanho é garantia de nota. Caso o carro ou elemento cenográfico esteja com seu acabamento comprometido, falhas luminotécnicas graves, tecidos rasgados e presença de pessoas sem fantasias que prejudiquem a leitura visual, a escola poderá ser gravemente penalizada neste quesito.

 

Por Amanda Cristina

Botequim da SASP