Home > SASP > ESPECIAIS > Colunistas > Yuri Coloneze estreia a “Coluna di Quinta” na SASP

Yuri Coloneze estreia a “Coluna di Quinta” na SASP

Prazer, leitor!

Meu nome é Yuri Coloneze e sou novo colunista da SASP!

Sou carioca e portelense de berço (herança automática do pai), mas
cultivo um carinho tremendo pelo carnaval de São Paulo desde 2005.

E nessa relação curiosa de um carioca que também é apaixonado pelo
Carnaval de outro estado, a SASP foi fundamental: Aprendi e muito com análises
pré e pós-carnavalescas sobre o funcionamento desta manifestação popular que
tanto cresce em Sampa!

Além disso, eu sou poeta nas horas vagas. Procuro carregar a bandeira da
cultura popular brasileira em meus versos e quero fazer deste espaço um recanto
para agregar! E nada melhor do que começar com uma reflexão sobre o próprio
Carnaval!

Esse movimento de
inclusão social por excelência precisa inserir mais questões sociais e
políticas na avenida! Trazer provocação crítica para o folião e para quem
assiste, definitivamente! 

Carnaval promove constante conhecimento e reflexão sobre a história do
seu povo. Seguindo esta linha, eu resolvi abrir esta coluna com um poema
voltado para estimular esse questionamento: Vamos manter essa chama da crítica
acesa!? Sim ou claro!? 

Boa leitura!

A bandeira do samba e do Carnaval 

Gostaria de registrar meu amor pelo samba
Relembrar a luta de tantos sagrados bambas
Gente que fez do riscado, a sua verdadeira arte
Iluminou as terras abençoadas por São Sebastião de parte a parte
Sem medo de transgredir a vida
De sair um pouco da labuta diária tão sofrida.

Salve, Carnaval!
Essa festa dos blocos, dos morros e do povo
Um momento em que a felicidade resiste nas ruas a cada sambista mais novo
A fantasia é fugir do padrão e do normal
Brincar e sonhar com um mundo um pouquinho mais igual.

Uma  grande celebração para cada estandarte
A crítica que enobrece a arte!
Afinal, independentemente da grana
O folião sempre participa e desfruta da festa profana
Das batidas com baldes, latas e afins
Até os confetes, mascarados e alerquins.

Os surdos e pandeiros não podem parar
A bandeira do samba precisam carregar
Fazer valer a batucada dos nossos tantãs e ancestrais
De tia ciata, rodas de jogo e lutas no cais
Repensar a relação com o povo e promover resgate
Fazer do Carnaval um verdadeiro embate
Com tremendo brilho no olhar!

Em prol da nossa cultura popular!

Yuri Coloneze – carioca e portelense de berço e apaixoado pelo carnaval de São Paulo desde 2005.

Botequim da SASP