Home > SASP > ESPECIAIS > Colunistas > “Di Quinta” – Aplausos para mestre Sargento!

“Di Quinta” – Aplausos para mestre Sargento!

Spread the love

 

Lágrimas nos olhos. Lágrimas para mestre Sargento.

A poesia popular perde um eterno que continuará eterno.

Pelas rodas de samba, dentro do palácio do samba e das vielas da Estação primeira.

Esse texto chegou nas mãos de Nelson e isso conforta o meu coração.

Obrigado por tudo e por tanto, constelação.

Você é! E assim como nosso samba, você não morrerá!

APLAUSOS PARA O GÊNIO!
Em meu nome e em nome da SASP carnaval, eu deixo minha singela homenagem para Nelson Sargento!
.
“(…)Samba
Negro, forte, destemido
Foi duramente perseguido
Na esquina, no botequim, no terreiro

Samba
Inocente, pé-no-chão
A fidalguia do salão
Te abraçou, te envolveu…” (Agoniza mas não morre – Nelson Sargento)

Aplausos para mestre Sargento!
.
Quero falar sobre aquele menino do morro do salgueiro
Moleque de sorriso atrevido e festeiro
Com uma lutadora mãe que sempre lutou pelo pão de cada dia
Para assim fazer de tudo um pouco para Nelson conseguir viver com afeto, paz e alegria

Aos dez anos, um convite de Português surgiu
Hora de carregar as malas e o samba para um novo pedaço de chão
O menino abraçou a oportunidade com tremenda esperança e novamente sorriu
Mal sabia que iria transformar seu amor infantil em verdadeira profissão
Fazer do tamborim e do pandeiro sua verdadeira vocação

Foi lá em Mangueira que seu jardim floresceu
Em terra de tantos frutos em forma de bambas
Teu samba agonizou, mas jamais morreu
O ritmo que nasceu com a força de tantos ancestrais
Enfrentou gigantescas barreiras, superou difíceis fronteiras
Cruzou um Rio de Janeiro a Janeiro espalhando seus simples e fortes ideais

Levando pro mundo uma mensagem contra a discriminação
Traçando o morro com auxílio de Geografia e do seu coração
O menino se transformou em sambista de primeira na primeira estação
Colocou seu espaço como paisagem de respeito, encanto e constante transformação

Uma verdadeira luta através dos versos contra a desigualdade social
Carregar a voz do morro como uma missão, uma verdadeira força vital
Também encontrou espaço para falar do amor
Buscar lirismo em suas obras e trazer a força das estações em palavras com todo o fulgor
E lá foi o poeta propor o casamento das notas musicais com a paixão
Dizer que o mais belo sentimento jamais desafina e não é ilusão

E em cada bar, cada roda de samba que existe nesse Brasil de eterna louvação
Pede a bênção junto a São Sebastião e São Jorge para alumiar os caminhos e enfrentar o mal
Bordar os retalhos do samba em seu destino para fazer deste jardim uma verdadeira sinfonia imortal

 

Botequim da SASP