Home > SASP > ESPECIAIS > Colunistas > “Di Quinta” reestreia com uma homenagem a Thobias da Vai-Vai

“Di Quinta” reestreia com uma homenagem a Thobias da Vai-Vai

Spread the love

Olá, pessoal!

Prazer! Meu nome é Yuri Coloneze e hoje retorno com a coluna DI QUINTA nesse espaço tão especial que é a SASP!

A intenção maior por aqui é fazer dessa coluna semanal um espaço para registro e preservação dos griôs do sagrado carnaval paulista! Tudo isso com o auxílio artístico da métrica, da rima e da musicalidade!

E nada melhor do que iniciar essa coluna para exaltar esse vencedor que é mestre Edimar Tobias da Silva! Ou apenas Seu Thobias da Vai Vai!

Esse poema é um presente para este colossal legado e para cada componente da maior campeã do Carnaval de São Paulo!

Vida longa!
O samba cura!
Boa leitura!

Lá vai seu Thobias cruzando São Paulo atrás do Bixiga!

O que seria do nosso samba sem este colossal baluarte?
O que seria da gente sem este griô capaz de contar tanta trajetória popular de parte a parte?
E assim de Cachoeirinha para o mundo
Cruzando São Paulo por amor tão profundo
Dentro de uma paisagem que amanhece de forma tão mística
Na plenitude da voz que traduz a poesia desse chão em singularidade tão artística

Para assim encontrar gente que pulsa forte em cada riscado que conquista
No gerenciamento de um tom ou de todo um povo mergulhado na magia da Bela vista
Coisa sagrada que o sentimento não explica
Batucada imponente que sintetiza a acústica de uma ancestralidade tão rítmica

Enredo e samba sem medo
Fundamento que atravessa o divino segredo
Ser artista, sambista e paulista por necessária função e mistura
Elementar elegância que risca nossa memória dentro da popular cultura

Quero ver a sua nobreza pelo Bixiga novamente
No registro de um sorriso que agrega passado e presente para reforçar o brilho da tua semente
Mergulhado em um surdo preto e branco de lirismo tão sincopado que teu coração até de longe tanto sente

Homem e mestre para provar que até a globalização microbiana encontra nessa festa motivo para celebração de muita cura!
Pela benção que é carregar dentro desse nobre peito essa imensidão que sintetiza toda saracura!

 

 

Yuri Coloneze – suburbano, portelense, poeta popular, apaixonado pela festa na fresta e também pelo carnaval de São Paulo!

Botequim da SASP