Home > Carnavais > Carnaval 2019 > Começa hoje a temporada de ensaios no Anhembi, conheça a histórias dos ensaios técnicos em SP

Começa hoje a temporada de ensaios no Anhembi, conheça a histórias dos ensaios técnicos em SP

Spread the love

Há 30 anos, a Liga Carnaval SP realizou, na quarta-feira que antecedia os desfiles, um teste de luz e som na Av. Tiradentes, já toda preparada para para o carnaval. Coube à então tricampeã Vai-Vai fazer esse teste. E a escola foi inteira e com torcida, que sabia de cor a coreografia do samba-enredo Escreveu, Não Leu, O Palco é Meu!. Era incrível a beleza da força do ritmo, do canto e da coreografia da escola, que contagiava o pequeno público que tomou parte das arquibancadas, formado por alunos do Senac, da Fatec e por transeuntes.

Dez anos depois, dois sambistas respeitáveis da Pauliceia, Mercadoria (na época, diretor de Harmonia da X-9 Paulistana) e Necco (Diretor Cultural da Mocidade Alegre) – ambos então pertencentes à Coordenação de Carnaval da Liga, defendiam a necessidade de as escolas fazerem ensaios técnicos, como forma de se adequarem melhor aos espaços do sambódromo e também como forma de o sambódromo ser ocupado pelo seu genuíno público: o sambista. Poucos acreditavam na ideia.

Foi no início de 2002, na gestão de Robson de Oliveira, que a ideia dos Ensaios Técnicos começou a se materializar: a Rosas de Ouro fez um Ensaio Técnico com todo o seu elenco e respeitando a montagem das alas, em uma noite de quinta-feira. Aos poucos, as escolas começaram a aderir.

Já no ano de 2003, tinha-se uma grade de Ensaios Técnicos. Apenas os três últimos setores de arquibancadas do lado da Av. Olavo Fontoura eram abertos ao público, geralmente formado por componentes de escolas que já haviam ensaiado ou aguardavam para ensaiar. As escolas passaram a levar a sério o ensaio no sentido de uniformizar alas, demarcar espaços de alegorias e até levar adereços, quadripés ou pede-passagens.

Construiu-se o costume de cada escola do Grupo Especial fazer três ensaios técnicos, geralmente no contraturno de seus dias de ensaio na quadra. A adesão do público aumentava, assim como aumentavam os inoportunos: o público ficou pequeno para apenas três setores de arquibancada, começando a lotar a concentração, havia escassez de alimentação e bar no local (além dos guardas municipais, tradicionalmente conhecidos como “rapas”, que impedem o trabalho dos ambulantes na Av. Olavo Fontoura somente nos dias de ensaio, sendo que os ambulantes oferecem melhor variedade de alimentação e bebidas por um preço bem mais acessível) e as taxas de estacionamento eram exorbitantes e desencorajadoras. Somava-se isso ao atraso das escolas, que não respeitavam cronometragem de entrada, além de terem que aguardar o retorno do único carro de som.

Por volta de 2013, as escolas passaram a respeitar mais seus componentes, suas co-irmãs e o público, diminuindo os atrasos. Passou-se a trabalhar com dois carros de som, aproximando o ensaio da realidade do dia de desfile. Formou-se um público apaixonado e fiel aos ensaios técnicos, levados muito a sério pelas filiadas da Liga pertencentes aos grupos Especial, Acesso 1 e Acesso 2.

Livres do peso das fantasias, das alegorias e do julgamento, vemos muitas agremiações apresentarem verdadeiros espetáculos de canto, dança e ritmo, que nem sempre se repetem no dia do desfile oficial – seja pelos entraves técnicos das fantasias e alegorias, seja pelo estresse do horário, seja pela presença de componentes que pagaram a fantasia sem ter comparecido ao ensaio e não terem intimidade com a comunidade. Ou talvez seja porque metade de qualquer arte é técnica, e a outra metade é a poética. E a poética é algo invisível, espiritual, uma emoção coletiva que vem ou não vem… Uma luz que baixa na escola de samba toda e a deixa mais linda, mais emocionante, mais carnaval. Você pode fazer um ensaio técnico e garantir metade da arte de um desfile. Não existe “ensaio poético”. Treino é treino, jogo é jogo.

E a atualidade mostra que os Ensaios Técnicos passaram a ser uma nova manifestação cultural carnavalesca na cidade, com público específico, ambiente seguro, ocupando o espaço do sambódromo por dois meses. Propiciam um encontro e congraçamento de sambistas de diversas agremiações, coisa que a correria dos dias de desfile tem impedido. A melhor parte de qualquer festa é a preparação dela!

Veja aqui a Grade de Ensaios Técnicos 2019:

Sexta – 11/01
23:00 – CAMISA VERDE E BRANCO

Sabado – 12/01
19:15 – LEANDRO DE ITAQUERA
20:30 – INDEPENDENTE TRICOLOR
21:45 – NENÊ DE VILA MATILDE

Domingo – 13/01
20:30 – IMPÉRIO DE CASA VERDE

Quinta – 17/01
21:45 – UNIDOS VILA MARIA
23:00 – UNIDOS DO PERUCHE

Sexta – 18/01
21:45 – COLORADO DO BRÁS

Sábado – 19/01
19:15 – PÉROLA NEGRA
20:30 – MOCIDADE ALEGRE
21:45 – TOM MAIOR
23:00 – MANCHA VERDE
00:15 – ROSAS DE OURO
01:30 – VAI VAI

Domingo – 20/01
19:15 – ESTRELA DO TERCEIRO MILÊNIO
20:30 – BARROCA ZONA SUL

Sexta – 25/01
18:00 – AMIZADE ZONA LESTE
19:15 – LEANDRO DE ITAQUERA
20:30 – UNIDOS DO PERUCHE
21:45 – INDEPENDENTE TRICOLOR
23:00 – NENÊ DE VILA MATILDE

Sábado – 26/01
19:15 – CAMISA 12
20:30 – IMPERADOR DO IPIRANGA
21:45 – CAMISA VERDE E BRANCO
23:00 – GAVIÕES DA FIEL

Domingo – 27/01
18:00 – MORRO DA CASA VERDE
19:15 – SANTA BÁRBARA
20:30 – PRIMEIRA DA CIDADE LÍDER

Sexta – 01/02
20:30 – COLORADO DO BRÁS
21:45 – MOCIDADE ALEGRE
23:00 – X9 PAULISTANA

Sábado – 02/02
17:00 – UIRAPURU DA MÓOCA
18:00 – BARROCA ZONA SUL
19:15 – ÁGUIA DE OURO
20:30 – UNIDOS DE VILA MARIA
21:45 – TOM MAIOR
23:00 – IMPÉRIO DE CASA VERDE

Domingo – 03/02
18:00 – MOCIDADE UNIDA DA MÓOCA
19:15 – DRAGÕES DA REAL
20:30 – ACADÊMICOS DO TUCURUVI
21:45 – INDEPENDENTE TRICOLOR

Quinta – 07/02
21:45 – ROSAS DE OURO
23:00 – CAMISA VERDE E BRANCO

Sexta – 08/02
21:45 – PÉROLA NEGRA
23:00 – NENÊ DE VILA MATILDE

Sábado – 09/02
16:00 – TORCIDA JOVEM
17:00 – DOM BOSCO DE ITAQUERA
18:00 – LEANDRO DE ITAQUERA
19:15 – UNIDOS DO PERUCHE
20:30 – ÁGUIA DE OURO
21:45 – X9 PAULISTANA
23:00 – GAVIÕES DA FIEL
00:15 – VAI VAI

Domingo – 10/02
16:00 – TRADIÇÃO ALBERTINENSE
17:00 – ESTRELA DO TERCEIRO MILÊNIO
18:00 – IMPERADOR DO IPIRANGA
19:15 – MOCIDADE UNIDA DA MÓOCA
20:30 – ACADÊMICOS DO TATUAPE
21:45 – COMBINADOS DE SAPOPEMBA

Quinta – 14/02
20:30 – PRIMEIRA DA CIDADE LÍDER
21:45 – GAVIÕES DA FIEL

Sexta – 15/02
20:30 – BARROCA ZONA SUL
21:45 – TOM MAIOR
23:00 – IMPÉRIO DE CASA VERDE
00:15 – VAI VAI

Sábado – 16/02
18:00 – COLORADO DO BRÁS
19:15 – UNIDOS DE VILA MARIA
20:30 – MOCIDADE ALEGRE
21:45 – MANCHA VERDE
23:00 – ROSAS DE OURO

Domingo – 17/02
18:00 – ACADÊMICOS DO TUCURUVI
19:15 – DRAGÕES DA REAL
20:30 – ACADÊMICOS DO TATUAPE
21:45 – X9 PAULISTANA

Quinta – 21/02
20:30 – ÁGUIA DE OURO
21:45 – ACADÊMICOS DO TATUAPE
23:00 – MANCHA VERDE

Botequim da SASP