Home > Escolas de Samba > Águia de Ouro > Confira no detalhe as apresentações do Acesso na lançamento do CD 2018

Confira no detalhe as apresentações do Acesso na lançamento do CD 2018

Spread the love

No último final de semana, a cidade de São Paulo teve muito samba. Dentre as 34 agremiações filiadas à LIGA-SP, as oito escolas que compõem o Grupo de Acesso do carnaval paulistano também se apresentaram no lançamento oficial dos CD’s do carnaval 2018. Águia de Ouro e Colorado do Brás foram os destaques positivos da tarde/noite e abaixo você acompanha um resumo da equipe SASP sobre como cada agremiação passou pelo mini desfile da Fábrica do Samba no último final de semana.

VEJA AS FOTOS DAS APRESENTAÇÕES

ASSISTA AS APRESENTAÇÕES NA TV SASP

Águia de Ouro: maior contingente da noite, deu claras indicações de que o Acesso não é o seu lugar. Com organização e força de comunidade dignas de Grupo Especial, a Azul e Branca da Pompeia fez uma grande apresentação na Fábrica do Samba. Destaque para o canto forte e incessante dos componentes, para a evolução interessante proposta pela direção de harmonia da escola – que fez um movimento de encontro entre os primeiros e últimos componentes no meio da Avenida montada na Fábrica do Samba – e para o bom entrosamento de Douglinhas, Fernandinho SP e Serginho do Porto a frente do microfone principal da agremiação.

Nenê de Vila Matilde: a Águia Guerreira da Zona Leste fez uma boa apresentação na Fábrica do Samba. Com um bom contingente de componentes, a escola da Vila Matilde teve a já tradicional boa participação de sua comunidade no canto do samba-enredo. Curiosamente, a agremiação não pôde contar com Agnaldo Amaral no carro de som. O intérprete ficou preso no trânsito do entorno da Fábrica do Samba e acabou não conseguindo chegar a tempo da apresentação. Ele foi bem substituído pelos intérpretes de apoio da escola.

Colorado do Brás: com um dos mais elogiados sambas da safra, a Colorado foi outra agremiação que fez bonito na Fábrica do Samba. A comunidade mostrou estar alinhada com o canto e entoou muito bem o hino da Vermelha e Branca. Em grande fase, o intérprete Chitão Martins mostrou o porque é um dos mais promissores da geração e contribuiu bastante para o excelente desempenho da agremiação na apresentação do evento.

Camisa Verde e Branco: o Trevo da Barra Funda fez uma apresentação boa na Fábrica do Samba. A comunidade cantou de forma regular o samba do Camisa, que foi bem interpretado pelo recém-chegado intérprete Nego, na agremiação. Pela apresentação, nos quesitos possíveis de se avaliar em um evento como esse, a escola apresentou um bom nível, podendo melhorar à medida que o carnaval se aproximar.

Leandro de Itaquera: a Vermelha e Branca da Zona Leste teve um desempenho regular no mini desfile do lançamento do CD. Com o braço quebrado, mas voz sem perigo, Juninho Branco foi bem no comando do carro de som do Leão. Com relação ao canto da comunidade, a escola não repetiu o bom desempenho de outras coirmãs na festa, mas com dois meses para o carnaval, há tempo para aumentar a pegada nesse quesito.

Pérola Negra: a bateria de Mestre Fernando Neninho foi o ponto alto da regular apresentação da Joia Rara do Samba, com bossas interessantes e mostrando que houve evolução com relação ao trabalho anterior. Estreando na agremiação, o intérprete Daniel Collete mostrou estar entrosado com os intérpretes de apoio e a comunidade correspondeu de forma satisfatória com a expectativa para o canto da boa obra de 2018.

Imperador do Ipiranga: a escola da Vila Carioca teve na sua dupla de intérpretes, o ponto alto da noite. Recém-chegados a agremiação, Juninho Berin e Rodrigo Atração mostraram bastante entrosamento no microfone principal da Imperador e conduziram muito bem a obra da agremiação. A comunidade teve um desempenho regular no canto da obra, uma das mais bem avaliadas no carnaval paulistano em 2018.

Barroca Zona Sul: a Faculdade do Samba foi uma grata surpresa na tarde/noite de samba. Recém-chegada do antigo Grupo 1 da UESP, a Verde e Rosa teve um desempenho bastante satisfatório com relação a canto da comunidade e até organização do mini desfile na Fábrica do Samba. Estreante na escola e no carnaval paulistano, o intérprete Pixulé foi muito bem na condução do samba, e interagindo bem com a comunidade, mostrou estar se ambientando bem com os integrantes da escola da Zona Sul.

Botequim da SASP