Home > Carnavais > Carnaval 2018 > Quesito a quesito: saiba como é julgado o módulo musical nos desfiles 2018

Quesito a quesito: saiba como é julgado o módulo musical nos desfiles 2018

Spread the love

Após um ano inteiro de espera, finalmente é tempo de carnaval na maior cidade da América do Sul, já que nesta sexta, dia 9, começam oficialmente os desfiles das escolas de samba de São Paulo. E para entender como são os julgamentos dos grupos Especial, Acesso e Acesso 2, a SASP começa hoje uma série de três reportagens que explicará quesito a quesito o julgamento de 2018.

Para começar, vamos explicar o módulo musical, que consiste nos quesitos Samba-Enredo, Harmonia e Bateria. Uma das principais mudanças no julgamento de 2018 vem neste módulo, já que os julgadores não ficarão mais dentro das tradicionais cabines de jurados. Esse ano, eles ficarão em uma mezanino de aproximadamente 2 metros de altura e mais próximo da pista, facilitando a audição do julgador (veja na foto da matéria).

Veja como estarão dividias as cabines de jurados no desfile 2018

Samba-Enredo

O samba-enredo é a interpretação musical do enredo proposto por uma escola de samba. É com o samba que as pessoas têm o primeiro contato em um desfile carnavalesco. E, com isso, ele tem a obrigatoriedade de explicitar o tema proposto pela entidade, fazendo com que todos os componentes tenham a capacidade de cantá-lo.

Para uma avaliação mais coesa, o quesito é subdivido em letra e melodia. Na letra, o jurado avaliará se ela transmite em versos, o enredo proposto. A letra poderá ser descritiva ou interpretativa. É descritiva quando acompanhar narrativamente o enredo desenvolvido, e interpretativa a partir do momento que conta o enredo, contendo implicitamente a ideia dos principais itens do tema proposto.

Em melodia, os jurados devem se atentar se ela induz os componentes da escola a evoluir, dançar e cantar o samba, levando em conta as particularidades melódicas de um samba-enredo e a riqueza poética da obra. A melodia deve conter desenhos musicais para engrandecer a obra e fixar a atenção do ouvinte durante toda a sua duração.

Vale lembrar, que o time de canto das escolas não deve ser analisado pelos jurados e que os sambas poderiam sofrer modificações na letra e na melodia até a data de entrega das pastas, que aconteceu na última semana.

Harmonia

Um dos quesitos mais antigos nas história do carnaval, a Harmonia é julgada pelo perfeito entrosamento entre canto dos componentes com o ritmo da bateria de uma escola de samba. Em um primeiro momento, parece ser simples julgar esse quesito, mas com o aumento da potência do som do Sambódromo, os jurados devem se atentar em diversos pontos para que o quesito seja julgado com perfeição.

Os julgadores observam se o canto está sendo propagado em todos os setores da escola dentro da pista, seguindo o compasso proposto pela bateria. Se determinado ponto da escola cantar um trecho e outro setor cantar outro pedaço da obra, isso é considerado atravessamento de canto, podendo tirar preciosos pontos de uma agremiação.

É importante ressaltar que alguns setores da escola não precisam cantar, pois são consideradas alas especiais e não entram no julgamento do quesito, são elas: Comissão de Frente, Mestre-Sala e Porta-Bandeira, Bateria, equipe técnica das escolas, Velha Guarda, Baianas, Crianças, pessoas com necessidades especiais e seus acompanhantes, e por fim, componentes das alegorias.

Bateria

A Bateria é o coração de uma escola de samba e o setor responsável por dar sustentação ao ritmo, mantendo o andamento proposto para o desfile. Esse quesito também sofreu algumas mudanças para os desfiles de 2018, como a volta do julgamento pelo som durante todo o desfile e não mais apenas no campo visual/auditivo dos jurados, como aconteceu em 2017.

O manual do julgador diz que as baterias devem ser formadas por dois grupos de instrumentos. Os básicos, que são obrigatórios: Surdos, Caixas, Repiques, Tamborins e Chocalhos. Os demais instrumentos são considerados complementares. A partir disso, os jurados devem ficar atentos sustentação do ritmo, que não devem aumentar e nem diminuir durante a apresentação em toda pista, mantendo o batimento por minuto proposto na largada do desfile. Porém neste ano será muito difícil alguma escola ser penalizada por conta da sustentação, pois para se chegar na penalização mais branda, que tiraria 0,1 décimo da nota, a bateria teria que oscilar seu andamento em 7 bpm, algo que é muito difícil de acontecer.

No entrosamento, o jurado deve se atentar a perfeita combinação dos sons emitidos pelos vários instrumentos e ao sincronismo em que cada naipe é tocado, claro, com exceção ao surdo de terceira. É preciso também equilíbrio, para que todos os instrumentos básicos sejam ouvidos. Além disso, há ainda no manual de julgador menção à afinação, sendo que cada agremiação pode escolher a sua, desde que as características de cada naipe de instrumentos sejam mantidas.

Amanhã iremos conhecer como é julgado o módulo visual no carnaval.

Botequim da SASP