Home > Carnavais > Carnaval 2017 > Vem aí mais uma edição do Projeto Chocalho SP

Vem aí mais uma edição do Projeto Chocalho SP

Spread the love

Simpático, prático e sonoro. O chocalho também é um dos instrumentos considerados leves nas baterias das escolas de samba, mas de leve, fica apenas a introdução. O chocalho é um dos mais importantes em uma bateria. Com a grande dificuldade de se julgar o valor de cada peça, não é aceitável que o chocalho seja deixado de lado, e toda a discriminação vem sendo superada com grande plenitude.

E com o intuito de valorizar o trabalho realizado pelas baterias em São Paulo nesse setor, e divulgar a evolução dos chocalhos dentro do nosso carnaval, surgiu no ano passado, a ideia de se fazer o registro do trabalho executado pelos diretores do instrumento de todas as agremiações dos grupos Especial e de Acesso do carnaval paulistano. Cada bateria com sua característica e cada ala de chocalho também com sua característica, que envolve diretamente o trabalho, conhecimento, e personalidade do diretor que é responsável por esse setor dentro da bateria.

“A função básica do chocalho é dar uma sustentação as caixas, e ressaltar os pontos fortes do samba (refrãos, bossas), porém em algumas baterias os arranjos são bem complexos e tem uma conversa muito musical com os outros naipes, eu particularmente gosto de trabalhar nesse formato, mas isso vai de diretor para diretor, de mestre para mestre. Aqui em São Paulo, temos diretores que fizeram história, e talentos surgindo, esses trabalhos precisam ser mais divulgados…”comenta Jé Branco, diretor de bateria da Camisa Verde e Branco e idealizador do projeto.

Em 2016, foi gravado a ideia rítmica de cada ala em suas respectivas baterias, tendo mais de 15 mil acessos no canal do projeto no Youtube. “Para esse ano, teremos um projeto diferenciado para uma divulgação bacana na internet. Vamos gravar somente os Breque/Bossas na concepção dos chocalhos, e com isso, vamos ter um material de trabalho para quem procura e não encontra, ou para quem é simplesmente admirador desse instrumento”, finaliza Jé Branco.

Botequim da SASP