Home > Carnavais > Carnaval 2018 > Clima descontraído marca o último ensaio técnico da Mancha Verde no Anhembi

Clima descontraído marca o último ensaio técnico da Mancha Verde no Anhembi

Spread the love

A palavra de ordem no último ensaio técnico da Mancha Verde no Anhembi foi “descontração”. A agremiação abriu a última noite de ensaios técnicos na Passarela do Samba na última sexta-feira, 2. Com o clima leve, as alas não vieram tão preocupadas com demarcações e os componentes permaneceram soltos o treino todo.

Em exclusividade para a equipe da SASP, o autor da ideia comentou sobre o assunto. O presidente da escola Paulo Serdan, que comunicou ao público presente no Anhembi que a escola viria mais solta durante seu discurso na concentração, falou sobre essa estratégia utilizada no ultimo ensaio.

“Eu decidi de última hora agora na concentração, pedi autorização para a direção de harmonia e dei a palavra para o componente. A comunidade veio solta, se divertindo ,e isso só foi um pouco do que levaremos para a avenida no dia do desfile”, comentou o presidente, que na concentração exaltou a intenção de deixar seu componente curtir o momento no Sambódromo sem preocupação maior com o indicado pelo regulamento.

A comissão de frente demonstrou sincronismo durante toda a coreografia e encantou o público com a representação de orixás na avenida. O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, Marcelo Silva e Adriana Gomes, veio encantando todo o público com elegância e simpatia.

Fredy Vianna e toda a ala musical deram um verdadeiro show, junto com a bateria Puro Balanço, comandada pelo Mestre Maradona. No refrão do meio, a bateria realiza uma bossa, que lembra o som de um atabaque, instrumento muito utilizado nos rituais das religiões africanas.

Com o enredo A Amizade – A Mancha agradece do fundo do nosso quintal, desenvolvido pelo carnavalesco Pedro Alexandre, a Mancha Verde será a quarta escola a desfilar na sexta-feira de carnaval no Anhembi. A escola vai em busca de seu primeiro título na história da elite do carnaval paulistano.

Por Amanda Cristina

Botequim da SASP