Home > SASP > ESPECIAIS > Colunistas > “Coluna Di Quinta” A cuíca sagrada que não pode parar!

“Coluna Di Quinta” A cuíca sagrada que não pode parar!

Spread the love

.
Olá, pessoal! Hoje é dia de coluna na SASP Carnaval! Faltando pouco mais de um mês para o Carnaval, começarei a produzir uma pequena série de homenagens para verdadeiros baluartes do Carnaval Paulista!

E para começar a série, nada melhor do que homenagear essa verdadeira fortaleza da cultura popular brasileira e do samba Paulista: Mestre Osvaldinho da Cuíca!

Que prazer me aprofundar nessa história de vida tão popular por excelência!
A história do Vai Vai se mistura com a história desse verdadeiro mágico da cuíca brasileira!

E a grande lição deixada por um baluarte passa exatamente por isso mesmo, leitores. O passado que guarda tanta herança somado com um presente que reforça a resistência em prol da força das nossas batucadas nos mais diversos riscados!

Agora é hora de parar de falar e deixar alguns versos para contar essa linda trajetória de uma agremiação e de um homem que sintetiza tão bem um pavilhão!

Boa leitura!

Das cuícas de cai cai para o mestre Osvaldinho do Vai Vai (Yuri Coloneze)
.
Terno e grava pro mestre da noite em tons de gafieira
Mestre de humilde brilho no olhar nas noturnas vielas e ladeiras
E lá foi a paixão pelo som encantar o menino
E no bom e velho compasso das garoas do destino
Ele atravessou fronteiras
Para ganhar o mundo com a cuíca em feitio de arte
Toque místico que o sambista reconhece por toda parte
.
Principalmente no amanhecer de um certo espaço popular
O convite é em rua sem receio de ser singular
Escola do povo
Mistura da tradição com costume tão novo
De histórias do Cai Cai
Para a sinfonia do Vai Vai
.
E os títulos confirmam a história
Chão que grita com orgulho tanta linda trajetória
Da música que arrebata
Da luta pela educação que constata
A sagrada missão para promover a cultura brasileira
Símbolos de sincretismo, ancestralidade e fé para essa gente herdeira
De uma memória pouco contada
Mas que é verdadeira e continua a ser cultivada
.
E nesse preto e branco de singelo matiz
De saudosa Elis em ritmo tão feliz
Feito canto de libertação
Pegada forte na alma e no coração
Uma verdadeira narrativa de particular expressão e e referência
Só quem é do Bixiga mesmo para entender essa tradição e poderosa essência!

Foto: Radio Batuta

Botequim da SASP