Home > SASP > Editorial > Editorial – E lá se vão 20 anos….

Editorial – E lá se vão 20 anos….

Spread the love

O tempo é nosso parâmetro de mundo. As transformações que ocorrem, é o tempo quem nos direciona. E com o Carnaval não foi diferente.

Em 2000, o que era da divulgação da festa momesca das escolas de samba de São Paulo? Algumas rádios com programas, como a Rede Nacional do Samba, apresentado pelo saudoso Evaristo Carvalho, ou O Samba Pede Passagem, que até hoje está no ar com o grande Moises da Rocha, eram raros espaços durante o ano todo. As emissoras tinham sim relances, mas em sistema conta-gotas ao longo do ano, que não atendia os apaixonados pela festa.

2000 foi o ano que a tal Internet começava a pegar forma no Brasil, quem não se lembra do “bug do milênio”? Naquele ano, ninguém imaginaria que faríamos praticamente tudo por meio dessa rede mundial.

Isso aproximou alguns sambistas na época, e assim, entre um churrasco e outro, surgiu a tal da SASP – Sociedade Amantes do Samba Paulista, fundada por oito jovens: Armênio Poesia, Henrique Barba, Beto Peruche, Luis Vanucci, Pablo Porangaba, Fábio Lisboa, Emerson Braz e Victor Aroli. Este grupo cresceu, ganhando cada vez seguidores reais, que iam de quadra em quadra brincar carnaval, formando grandes bandos.

Com o crescimento, surgiu a ideia de criar o site da SASP, que divulgava, quase em tempo real, as notícias do carnaval, em todos em que ser era muito difícil saber as novidades. O trabalho de formiguinha, foi ganhando repercussão, e assim, o site ganhou nova roupagem e estruturação robusta em 2004, disponibilizando o maior acervo digital de nosso carnaval, que até hoje está no ar e é usado como uma extensa base de pesquisa para estudiosos, foliões e as próprias escolas, que nem sempre conseguem manter suas memórias.

Quantas idas a quadras, quantas eliminatórias indo pegar CD com os compositores, quantas apresentações de enredo e finais, quantas festas de protótipos…. Quanto tempo dedicado!!

Sim, a SASP percorreu do Especial aos Blocos. Conheceu bairros, comunidades e realidades de uma São Paulo gigantesca e com cerca de 100 agremiações carnavalescas espalhadas pela metrópole, que erroneamente, já foi chamada de túmulo do samba.

Claro, a tecnologia deu voz ao povo…. Quem não lembra do famoso Botequim da SASP?

Debates, discussões, brigas e amizades que saiam do virtual e iam pro real. Se isso acontece hoje nas redes sociais, imagine na época em que fórum era uma novidade.

E assim fomos caminhando, até que mais uma vez, vivemos um marco. A primeira transmissão ao vivo de uma quadra de um site especializado, foi da SASP. Na Unidos do Peruche estávamos la ousando, com duas pessoas, um computador, um microfone, e claro, uma internet bem “mais ou menos”.

E assim fomos o primeiro site a transmitir uma eliminatória de samba, a ter uma web-rádio dedicada ao carnaval de São Paulo, a transmitir por vídeo um ensaio técnico e muito mais inovações, que com muito trabalho, conquistamos para o samba de São Paulo.

Mas a SASP existe além de um site. Ela nasceu da paixão pelo carnaval. Aquele grupo que era de fãs e torcedores, quem diria, teria um dos maiores vencedores de samba-enredo de São Paulo. Teria outros compositores campeões imbatíveis em diversas escolas. Teria jurado de carnaval. Teria diretor musical de escola de samba. E sem saber, todos demais jovens que entraram nessa loucura, por simplesmente amar carnaval, foram abraçados por diversas personalidades do samba, que parecia um sonho tê-los conosco, com: Seo Mercadoria, Markinhos (in memorium), Solange , Tomate, Junior Marques, Gaspar, Paulo Serdan, Juca, Lisboa, Kaxitu, Robson de Oliveira, Xandão, Lourival, Seo Leandro, Familia Penteado, Angelina, Simone Tobias, Edleia, Nene, Sidnei Carrioulo, Nilson Valentim (in memorium), Paulo Furho, Sr Jamil, Adriano Bejar, Barroquinha, Jair, Adamastor, Hernane Siqueira e tantos outros nomes pra citar, que levaríamos dias escrevendo e agradecendo tudo que fizeram pela SASP!

Mal sabíamos que a SASP passava a ser uma grande referência,  formando pessoas pro carnaval. Desse grupo saíram carnavalescos, intérpretes, compositores, diretores de escolas de samba, aderecistas, enredistas, harmonias, coreógrafos, ateliês, mestres-salas, portas-bandeiras e muito foliões, que amam esse universo das escolas de samba. Também saíram diversos jornalistas, fotógrafos,  designers, locutores, assessores, apresentadores e muitos profissionais de imprensa, formados em nosso portal.

Saímos da teoria, fomos pra prática. Pra falar de nossa festa, temos que fazer a festa também. E assim foi feito.

Resolvemos então premiar o Grupo Acesso, valorizar seu trabalho árduo em tempos que ninguém sabia nada sobre o grupo. Resolvemos depois premiar o carnaval com festa para o povo e seus artistas nas três primeiras divisões da nossa festa. Lotamos as quadra da Império de Casa Verde, Rosas de Ouro e Águia de Ouro… Quanto desafio, mas nós gostamos de desafios!

Difícil imaginar tudo isso, sem um financiador né?  Porque barato não é, mas fazemos acontecer, simplesmente porque gostamos disso. Não explicamos, sentimos e fazemos! E não seremos ingratos, mesmo sem ter o apoio financeiro necessário, não podemos deixar de agradecer aos poucos que investiram na SASP, pois a paixão pelo carnaval também move essas pessoas, que sabem da importância desse trabalho…

Agora imagine esse cenário acontecendo durante 20 anos, vendo nascer outros veículos de imprensa especializados no carnaval, que a SASP sempre abriu as portas e apoiou, novas ferramentas e muitas outras coisas, já que a comunicação mudou nesse período, e nós seguimos essa evolução, mas sem deixar a nossa essência de lado. Não é simples, envolve muita dedicação e “tesão”. Sim, parece um grande desfile, cada ano um setor, e ele continua, não importa se é com fantasias de luxo ou com fantasias sem luxo… O show sempre continua!

Passados 20 anos de nossa fundação, seguimos aqui admirando e aplaudindo essa festa linda e todos envolvido na arte de se fazer carnaval…. O que importa é seguir sendo uma Sociedade de Amantes do Samba Paulista, seja por 20 segundos, 20 dias ou quem sabe, mais 20 anos, não é?

Botequim da SASP